Psicólogo e Terapeuta Sexual
CRP: 06/31768
João Batista Pedrosa

Agende sua consulta

São Paulo - Tel: (11) 98515-2038 WhatsApp

Santos - Tel: (13) 3395-2038

Este espaço é reservado para você. Envie suas dúvidas para: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
 

Clique na pergunta para expandir e ler a resposta


Resposta: Olá Sílvio. O grande dilema dos gays muito religiosos como você e que estão controlados pelos dogmas da igreja de condenação da homossexualidade é este: a contradição entre seu desejo homossexual e a prática deste desejo. Você não é uma pessoa anormal. Ser gay não é pecado, doença ou crime. É algo natural e normal. Você já nasceu homossexual e permanecerá sentindo atração por homem até o fim da sua vida. Alguns gays evangélicos conseguem ficar na igreja (omitindo que são gays) e conciliam religião e a prática do sexo homossexual sem problema. Outros não conseguem, são ‘fiéis’ ao dogma da igreja, abdicam de praticar o sexo homossexual e chegam a se casar com uma mulher. Já outros abdicam da igreja e vão viver sua sexualidade. Reflita bem se o casamento é a melhor saída para você, já que declara que nada sente na esfera sexual pela sua noiva. Casar é fácil, descasar é bem complicado principalmente quando se tem filhos deste casamento. Psicoterapia não resolve. É impossível a reversão da orientação sexual de uma pessoa. Dia 5 de agosto de 2009 a Associação Norte-Americana de Psicologia (APA) apresentou relatório afirmando que ‘não há qualquer evidência que apóie a afirmação de alguns profissionais, de que a orientação sexual pode ser alterada por terapia... Os profissionais de saúde mental não devem dizer aos pacientes que é possível mudar sua orientação sexual; em vez disso, devem explorar caminhos e possibilidades na vida que permitam acessar a realidade da sua orientação sexual’. Veja o que é melhor para você. Ser gay é muito bom e saudável desde que você se aceite enquanto uma pessoa homossexual. Seja feliz!

Resposta: Obrigado pelo contato. Crianças que foram criadas em um ambiente homofóbico ou em um ambiente religioso, onde se condena explicitamente a homossexualidade, quando ficam adultos terão dificuldade de vivenciar sua homossexualidade. Muitos casam com mulheres com medo da punição social e familiar. É comum adultos que foram muito religiosos na adolescência e/ou na idade adulta, ficarem sobre controle das regras da religião – condenação do sexo homossexual – e nas suas relações sexuais apresentaram algum tipo de disfunção sexual. As mais comuns são Disfunção Erétil e Ejaculação Rápida. O seu caso parece ser um caso típico: na masturbação tem boas ereções e com o parceiro perde a ereção (reação de fuga e esquiva). É com estivesse fazendo algo ‘errado’ transando com outro homem, fica nervoso e perde a ereção. Recomendo que você faça terapia.

Resposta: Não existe nenhum tratamento eficaz para fazer o pênis crescer. O tamanho dele é genético, é como a língua, não existe nenhum aparelho ou tratamento para fazer a língua crescer. Já o braço é possível porque é um tipo de músculo que sustenta o esqueleto e que pode sofrer hipertrofia por esforço. Já pensou se acontecesse isso com o pênis e a língua?. Seriam enormes e não poderíamos usá-los adequadamente. Desencane, seu pênis é normal, se preocupe com a forma como você vai usá-lo na relação sexual e dar prazer para sua parceria.

Resposta: Ela não tem este poder de escolha, porque não é possível mudar a orientação sexual de alguém.

Pergunta : Caro doutor escrevo porque necessito muito de sua ajuda. Tenho 24 anos e sou homossexual. Sempre soube que essa era a minha orientação sexual, pois as mulheres nunca me interessaram sexualmente. Os homens, pelo contrário, eram capazes de despertar em mim desejos fortíssimos - isso ocorre desde a infância. Entretanto, demorei muito para encarar essa realidade e me aceitar como tal. Ainda, no começo da adolescência tentei sufocar esses desejos dedicando-me à religião. Era mais cômodo para eu canalizar esses sentimentos, que encarava como desvios. E assim vivi até aproximadamente três anos atrás. Porém, chegou um momento em que não podia mais negar esses desejos, que fluíam de forma tão natural, e abandonei a religião. Desde então, tornei-me mais consciente com relação à minha orientação sexual e passei a viver mais tranqüilo e, de certa forma, mais feliz. Digo "de certa forma" porque, nesses quase três anos em que me aceito como sou, não consegui me realizar afetivamente. Nunca encontrei alguém que gostasse de mim e quisesse viver comigo um amor. Isso me deixa muito angustiado. Tive apenas quatro relações sexuais em toda a minha vida, e todas elas com garotos de programa. Precisei pagar para ter uns momentos de prazer, que sei, são falsos. A última relação sexual que tive foi há mais de um ano, e prometi a mim mesmo que nunca mais pagaria por sexo. Desde então não tive qualquer outra relação sexual. Não sou uma pessoa bonita, tampouco atraente e acho que isso faz com que eu não consiga encontrar um homem com quem pudesse ter uma relação de afetividade e sexo, o que me faria muito feliz, pois me sentiria completo. Esse problema me faz pensar em regredir. Voltar a me dedicar à religião e me anular nessa área afetiva/sexual - penso que assim poderia sofrer menos. Espero que o senhor tenha entendido o meu conflito, e que, por favor, me ajude. É muito importante para mim!

Resposta: Sim, consigo lhe entender. Parece que você, ainda, não aceita sua homossexualidade. Tudo indica que o conflito persiste. A homofobia (aversão à homossexualidade) da religião deixa cicatrizes emocionais profundas nos homossexuais que não se aceitam ou passam a se aceitar depois de um tempo. Essas cicatrizes emocionais podem acompanhar a pessoa gay pelo resto da vida, se ela não se cuidar. Parece que você tem problema relacionado a sua auto-estima. Ser gay não é anormalidade nem pecado. Ser gay é muito bom, quando a pessoa se autovaloriza e possui uma boa auto-estima. Procure ajuda psicológica com um profissional que seja psicólogo e não esteja ligado às religiões. Quem entende de comportamento humano, sexualidade e homossexualidade são os psicólogos. Padres, bispos e pastores entendem das coisas divinas e das religiões.

Pergunta : Boa noite doutor João, tudo bem? Gostaria de uma ajuda, para pelo menos saber o que linha devo seguir. Eu tenho dúvidas acerca de minha sexualidade. Não sei se sou bissexual. Eu sempre namorei mulher, mas sempre me excitei muito mais com a fantasia de que eu era a mulher. Sempre gostei de colocar roupas femininas, passar batom, calcinha, etc. Sempre adorei pênis, da forma, do cheiro, enfim. Só de pensar me excito. Naturalmente eu gosto de mulher, me sinto atraído por mulher. Sempre me pego olhando mulheres pelas ruas. Já com homem não, quase nunca na minha vida inteira olhei pra algum homem com desejo. Salvo algumas exceções, mas não tenho certeza de que era desejo. Acho que era muito mais admiração, por ter um corpo que talvez eu quisesse ter também, ou por admirá-lo intelectualmente. Eu acho que para uma pessoa ser gay, deveria ter emoção, ou seja, paixão por alguém do mesmo sexo, e isso nunca aconteceu comigo, pelo menos nunca notei, e sempre me apaixonei por mulheres, etc. O fato é que homem não me atrai, mas o que mais me atrai, muito mais que mulher ainda, são os travestis. Um corpo perfeito de mulher e o pênis. Combinação perfeita. Agora, não sei o que sou, se isso é apenas uma fantasia, ou se sou bissexual, ou gay mesmo. Pior é que minha vontade é ser passivo com travestis, ou mesmo homens, pois às vezes fantasio, mas sempre, sem beijo ou qualquer afeição, digo, com homem. Na minha cabeça, com travesti é possível qualquer coisa, até mesmo casar-me. Com minha mulher, ao transarmos, acabo quase perdendo a linha, e se bobear, viro o passivo da relação. Afinal, o que sou?

Resposta: Obrigado pelo contato. O que escreverei em seguida são apenas pareceres, pois nada posso afirmar com certeza neste e-mail, pois lhe conheço muito pouco. Parece que você apresenta um quadro de Travestismo Fetichista (TF). O que é isso? Travesti é uma pessoa que usa roupas do sexo oposto, com o objetivo de obter excitação sexual e de criar a aparência de pessoa do sexo oposto. Modifica fisicamente o corpo através da aplicação de hormônios, silicone etc. O objetivo é ficar com o corpo próximo do corpo do sexo oposto. O travesti do gênero masculino não é indicado para cirurgia de transgenitalização, pois não apresenta conflito com sua identidade de gênero. Gosta do seu pênis e usa na relação sexual. São manifestações do travestismo fetichista, também, o chamado crossdresser, que são pessoas que se vestem ocasionalmente com roupas do sexo oposto, não modificando fisicamente o seu corpo. Pelo que você escreve no seu e-mail, tudo indica, que o seu caso se encaixa no TF. Mas, não podemos diagnosticar e não devemos, fora do Set Terapêutico (consultório). O que você deve fazer? Sugiro que você me procure para uma consulta, para podermos esclarecer melhor sua situação. Atendo em São Paulo (SP) perto do Metrô Vila Madalena.

Pergunta : Olá doutor! Nunca tive coragem de comentar com ninguém ou com algum médico, mas eu tenho um apetite muito grande por sexo que parece que vou enlouquecer. Tenho 34 anos, sou gay, moro sozinho e minha preferência sempre foi passivo, porém sou um cara muito discreto e procuro estar livre de qualquer suspeita, mas não nego se me perguntam se realmente sou homossexual. Porém, nunca estou satisfeito sexualmente, sou muito possessivo, ansioso, me masturbo duas a três vezes por dia e quando vejo um cara mais novo, principalmente garotos, fico louco de desejo e tesão que às vezes me excito na rua, no ônibus, no meu trabalho, só de olhar. Tento me controlar, mas parece que vou enlouquecer. Não consigo ter um parceiro fixo, sempre alguma coisa dá errada, talvez porque eu só curta ser passivo não encontro o cara ideal. Não sou efeminado e nem gosto de roupas ou perfumes masculinos, muito pelo contrário, adoro roupas e perfumes com cheiro de homem. Acho que tenho algum tipo de distúrbio, não sei. Sou um ótimo profissional, trabalho há quatro anos na mesma empresa e sempre fui muito elogiado por todos, mas ninguém imagina esse meu desejo incontrolável. Muitas vezes para não sair todo dia com caras diferentes ou para não sair "caçando" eu me masturbo com freqüência e alivio minha tensão. Tento me ocupar, ler livros, fazer outras atividades, mas logo começo a pensar em sexo, principalmente, porque fico muito sozinho. Doutor me ajude, até freqüento uma Igreja Evangélica, mas de nada tem adiantando. Minha fé deve ser tão pequena que nem Deus pode me ajudar. Tenho medo de ficar louco ou de ficar doente de tanto pensar em sexo ou até mesmo de morrer e ir para o inferno por causa disto. Quando estou com alguém, enquanto não transo várias vezes não fico satisfeito. Desculpe, doutor se exagerei. Obrigado. Alex.

Resposta: Olá Alex. Obrigado pelo contato. Parece que você apresenta um quadro de Hiperatividade Sexual ou Desejo Sexual Hiperativo que não é comum. O Desejo Sexual Hiperativo apresenta como manifestação clínica a falência dos mecanismos reguladores normais, tornando o indivíduo insaciável. Eles não conseguem se abster. Quando tentam, se tornam tensos e ansiosos. Desestruturam o casamento, comprometem sua vida social e a manutenção do emprego. Sob tensão, muitas vezes, associam este estado ao prazer sexual. Como exemplo, temos o caso do executivo de vendas, que nas reuniões da empresa, ia até três vezes ao banheiro para se masturbar, objetivando aliviar a ansiedade. Bell & Weinberg (1978) relata que alguns indivíduos homossexuais, com uma estrutura de personalidade razoavelmente preservada, conseguiam ter uma média de até 10 orgasmos por dia, chegando a cifra de se relacionar sexualmente com até 1.000 parceiros por ano. Pessoas que sofrem dessa Disfunção Sexual, geralmente, apresentam um quadro de alta ansiedade crônica, daí o excesso de masturbação para aliviar a tensão. Pode haver, também, um transtorno de personalidade associado. Parece que este seu quadro clínico não é associado diretamente a sua homossexualidade. Para termos certeza é necessário que você faça uma terapia com enfoque em sexualidade para o psicólogo fazer um diagnóstico. Sugiro que você procure ajuda psicológica o quanto antes. Estando em São Paulo - SP, procure-me para uma consulta. Para entender melhor sobre esta disfunção leia o artigo Desejo Sexual Hiperativo no meu site seção Artigos deste meu site. Com relação à religião, penso que ela não terá condições de resolver este seu problema. Pois, os padres e pastores entendem de coisas divinas e não de saúde mental. Assim como, nós psicólogos e os psiquiatras entendemos de saúde mental e pouco entendemos de coisas divinas, pois passamos anos a fio estudando o comportamento humano. Ele, o seu problema, não está relacionado com sua fé, e provavelmente, você não irá "para o inferno por causa disto". Cuide-se!

Resposta: Consultei um médico urologista e ele falou-me que a prática de introduzir objetos no ânus tende a causar mais danos ao ânus e ao reto, do que a próstata. Isso não é impossível de ocorrer, mas com certeza antes de lesar a próstata, vai lesar o reto ou intestino. Você deve tomar cuidado para não praticar a introdução de objetos no ânus no mínimo uma semana antes de dosar o PSA novamente.

Resposta: Obrigado pelo contato. Na relação homossexual existem três padrões básicos. Os que preferem ser ativos gostam de penetrar seu pênis no ânus dos que preferem ser penetrados, os passivos. Os versáteis são os gays que são ativos em algumas relações e passivos em outras, não têm uma preferência. Por conta da nossa cultura machista, muitos gays supervalorizam sua condição de ativo e gostam de desqualificar os passivos. Alguns gays e pessoas que desconhecem a realidade do gay associam ser passivo com ser feminino, o que não é verdade. Existem muitos gays ativos que são efeminados bem como existem muitos gays passivos masculinizados. Além do uso das genitálias para fazer sexo, há muita troca de carinho nas suas relações sexuais. Tanto os gays como as lésbicas são pessoas muito afetuosas nas suas relações. É a diversidade da relação homo, e não tem nada de errado em praticar estes padrões. Você parece ser homossexual, parece ser não tenho certeza, pois te conheço pouco. O que é homossexual? É a orientação do desejo, paixões e fantasias sexuais, para a pessoa do mesmo sexo. No caso do homossexual seu objeto de desejo é uma pessoa do mesmo sexo. Hoje já se sabe que ser gay ou ser lésbica não é uma opção. Este é mais um mito: as pessoas são gays por opção! Optar significa escolher em ser ou não ser gay. Assim como o heterossexual não escolhe em ser ou não ser heterossexual, o mesmo acontece com o homossexual. Existem vários fatores que determinam esta orientação, que independe da vontade das pessoas, por isto não é uma opção. A Ciência e os psicólogos, ainda não chegaram a uma conclusão. Acredita-se que fatores genéticos, culturais e sociais influenciam na fixação da orientação. O gene, parece ter uma influência importante. A questão se encontra em aberto. Você tem uma atração muito forte por coroas grisalhos com barba e peludos. Qual a origem desta atração? Ela é relacionada ao seu mapa do amor. Para compreender melhor este fenômeno leia o artigo Erotização do Trauma Infantil, na seção artigos do meu site. Seja feliz.

Resposta: Thor, o que você tem é uma disfunção sexual chamada de Ejaculação Retardada. Deve ser de origem psicológica, como a maioria das disfunções sexuais. Respondendo suas perguntas: 1ª. “ Li que homens que se masturbam com freqüência, o que é o meu caso, tem maior dificuldade em gozar na penetração porque o estímulo não é tão forte quanto o manual, isto é verdade?” Não é verdade. Você tem um bloqueio psicológico que não consegue ejacular na penetração durante a relação sexual. Pode ser um conflito com sua orientação sexual homossexual ligada a não aceitação, a ansiedade ou se você é usuário de alguma droga ela pode está influenciando. 2ª. “O que posso fazer a esse respeito para ter uma vida sexual mais prazerosa e gratificante?” Você tem que fazer um tratamento com um psicoterapeuta sexual, procure ajuda, torne sua vida sexual prazerosa e sem bloqueios. Seja feliz!

Resposta: O canal anal é composto basicamente por dois tubos musculares sobrepostos: o esfíncter interno, espessamento terminal da musculatura circular da parede do intestino grosso, e o esfíncter externo, extensão terminal da musculatura levantadora do ânus. O esfíncter interno é composto de musculatura lisa, comandado por inervação autônoma, enquanto que o externo é formado de musculatura estriada, possuindo inervação somática. Se a prática do sexo anal se resumir a introduzir só o pênis para excitação sexual, não haverá problema, desde que você esteja sempre relaxado e usando lubrificante á base de água. Mas, se você pratica o fist fucking, que é a introdução da mão e braço no ânus, colocar objetos grandes como superconsolos ou objetos muito largos, com o tempo, existe o perigo de distensão muscular, que é o desligamento de fibras que dão sustentação ao músculo.>

Resposta: Obrigado pelo contato. Pelo que você escreveu no seu e-mail sua orientação sexual ou é homossexual ou bissexual. Um homem heterossexual não irá sentir atração por outro homem. Acredito que quem determina a orientação sexual de uma pessoa são os genes, portanto ninguém escolhe ser hétero, homo ou bi. A orientação sexual é irreversível, portanto, não existe tratamento para reverter a orientação. O que existe é a psicoterapia para a pessoa conviver melhor com sua orientação. A maioria das pessoas, como você, não gostariam de ser homossexual, por conta do preconceito social. Mas, é possível ser feliz sendo gay ou bi. Tudo é uma questão de esclarecimento. O envolvimento emocional com pessoas do trabalho não é recomendado, principalmente em se tratando de seu patrão. Cuidado, você pode se dar mal. Se quiser se envolver com alguém, procure homens gays em locais freqüentado pela comunidade gay. Lá você achará alguém para se relacionar. Sucesso!